Entenda o que é a depressão pós-parto

Tristeza, preocupação, nervosismo e vontade de chorar. Esses podem ser alguns sinais da depressão pós-parto, que se manifesta silenciosamente e atinge muitas mulheres que acabaram de dar à luz. O nascimento do pituco é um evento que deixa a vida dos papais de cabeça para baixo; por isso, a adaptação a um novo dia a dia, com novas responsabilidades, pode se mostrar um pouco complicada.

Esses altos e baixos, porém, não devem ser confundidos com a depressão pós-parto. A mamãe que sofre com a depressão não consegue curtir a maternidade por completo, já que vive num estado de angústia e ansiedade extremos, como se o fruto de todo aquele mal-estar fosse a criança recém-nascida.

Como outros problemas de origem emocional, a depressão pós-parto precisa de atenção. O primeiro passo é reconhecer os sintomas, lembrando que a maternidade em si não é 100% feliz e tranquila o tempo todo, e ficar atenta à recorrência de cada um.

Além dos sintomas citados, é comum que a mulher com depressão pós-parto sinta culpa, exaustão, dificuldade para lidar com a criação do bebê, irritabilidade, impaciência, pessimismo, falta de concentração e a impressão de que o pituco é um estranho.

Sentir algum desses sintomas é normal, o que não pode é viver em um estado de descontentamento ininterruptamente, a ponto dessa “melancolia” atrapalhar a relação e o vínculo entre mãe e bebê. Nesse momento, o mais indicado é buscar ajuda profissional, como uma terapia, para que a superação dos obstáculos seja mais fácil.

Também é fundamental contar com a ajuda de amigos e familiares, que podem se revezar e transformar a maternidade em algo mais leve para a mamãe que se sente deprimida.

Comentários

comentários